top of page
Head_blog.jpeg

Blog

  • DCRFuncional

Pessoas acamadas: Todos os cuidados a ter

Há situações de saúde que obrigam a que um doente permaneça durante longos períodos na cama. É possível promover o bem-estar das pessoas acamadas com cuidados simples mas eficazes, de modo a evitar o desconforto e o aumento da fragilidade do corpo.




Cuidados de higiene pessoal

A higiene da pessoa acamada é muito importante pois pode levar ao agravamento do seu estado de saúde. Portanto, esta é obrigatória e há constantemente necessidade de evitar o desenvolvimento de bactérias e outros microorganismos. Assim sendo, alguns dos cuidados básicos de higiene nestes doentes são:

  • Dar banho todos os dias, com água morna, sabonete suave, gel ou uma solução de limpeza, dependendo do caso;

  • Secar bem a pele, sobretudo entre os dedos e em todas as pregas;

  • Aplicar um creme hidratante, sobretudo nas zonas de maior fragilidade, da mesma forma massajando o corpo com suavidade;

  • Cortar as unhas todas as semanas, evitando a lesão da pele;

  • Lavar o cabelo com frequência e penteá-lo todos os dias;

  • No caso dos homens, cortar a barba ou cuidar dela com regularidade;

  • Lavar os dentes e a restante boca após as refeições;

  • Mudar a roupa interior diariamente após o banho.

Quais são os cuidados da pele a ter em consideração nas pessoas acamadas?

A imobilidade do corpo favorece o aparecimento de feridas, ou seja, as chamadas escaras. Normalmente, as escaras surgem na cabeça, ombros, cotovelos, ancas e calcanhares. Em muitas situações, a pele fica vermelha e formam-se bolhas que podem evoluir para feridas.


Prevenção das escaras:

  • Manter a pele limpa e bem seca;

  • Proteger a pele com creme hidratante, fazendo massagens suaves nas áreas de risco;

  • Utilizar almofadas adequadas para diminuir a pressão exercida sobre o corpo nas zonas mais críticas;

  • Mudar de posição com frequência (se o doente não for autónomo terá de ter auxílio).

Fezes e urina em pessoas acamadas


Em primeiro lugar, deve manter e cuidar a higiene pessoal da pessoa acamada, através do banho. Contudo, é também é extremamente importante saber lidar com as fezes e a urina.


Como lidar com a urina ?

As pessoas acamadas urinam, normalmente, entre 4 a 6 vezes por dia. Quando está consciente o ideal é que peça para ir à casa de banho. No entanto, se a pessoa não for capaz de andar autonomamente, é recomendado utilizar uma aparadeira ou um urinol.

Por outro lado, quando a pessoa não está consciente ou apresenta incontinência urinária, é recomendado utilizar uma fralda. Esta deve ser trocada sempre que estiver molhada ou suja. Contudo, no caso de retenção urinária, o médico pode aconselhar o uso de uma sonda vesical que requer cuidados especiais.


Como lidar com as fezes?

A eliminação de fezes pode mudar quando a pessoa fica acamada, ocorrendo geralmente com menos frequência. Assim, se a pessoa não defecar durante um período superior a 3 dias, pode ser sinal de prisão de ventre, ou seja, obstipação. Assim sendo, pode ser útil fazer massagens na barriga e oferecer mais água ou mesmo recorrer ao uso de um laxante, sob orientação de um profissional de saúde.

Manter o conforto

O conforto das pessoas acamadas é o principal objetivo de todos os cuidados referidos anteriormente. No entanto, existem outros cuidados que ajudam a manter a pessoa mais confortável durante o dia, sem feridas ou com menos dores.

  • Manter o quarto arejado, espaçoso e regularmente limpo de forma adequada;

  • Colocar a cama no meio do quarto, de forma a facilitar o acesso por ambos os lados;

  • Dar preferência a uma cama articulada pois torna mais fácil comer, ler, ver televisão e receber visitas, assim como a prestação dos cuidados de higiene e saúde;

  • Ter materiais anti-escaras e um resguardo impermeável;

  • Providenciar um dispositivo de chamada, bem como alguns contactos de emergência;

  • Os lençóis devem ser de algodão e devem ser mudados com frequência e estarem sempre bem esticados, de modo a evitar “rugas” que possam ferir a pele fragilizada;

  • Virar a pessoa, no máximo, de 3 em 3 horas, para evitar o aparecimento de escaras na pele;

  • Fazer exercícios com as pernas, braços e mãos da pessoa pelo menos 2 vezes por dia, de forma a promover a manutenção da força e a amplitude das articulações;

  • Fazer o uso frequente do levante da cama para o cadeirão, ajudando o utente em várias situações de rotina do seu dia a dia, irá ajudar a sua auto-estima também.


O papel do cuidador

O primeiro gesto de um cuidador deve ser lavar muito bem as mãos, antes e depois do contacto com o doente. E enquanto cuida, procure dialogar para obter a colaboração e estimule a realização de movimentos (adequados à situação). É importante que, apesar de acamado, o indivíduo se sinta útil e integrado na família. Faça as tarefas «com ele» e não «por ele». Mesmo estando confinado ao leito, a pessoa deve sentir-se útil e integrada nas atividades do quotidiano. Se a pessoa tiver dificuldades em comunicar verbalmente, esteja atento à linguagem corporal, à expressão no rosto, aos gestos e ao tom de voz.

Não se deixe levar pelo cansaço físico, por pensamentos depressivos ou pelas alterações na vida conjugal e familiar. Se chegar à conclusão de que cuidar já não é sustentável, procure outras soluções como o apoio domiciliário.


​Sinais de alerta

O cuidador e os restantes membros da família devem estar atentos a qualquer alteração física, mental ou emocional. Há algumas situações a deve que estar atento e caso se verifique, não hesite em pedir ajuda. Entre em contato com o médico que acompanha a pessoa de quem cuida ou recorra a alguém experiente e capacitado. Alguns sinais de alerta em pessoas acamadas:

  • Oscilações da temperatura corporal, especialmente febre ou hipotermia;

  • Agitação, desorientação, confusão mental ou qualquer comportamento estranho e diferente do habitual;

  • Rigidez nas articulações;

  • Pele avermelhada ou se pensar que se vai formar uma úlcera por pressão;

  • Coloração azulada ou arroxeada, que podem ser sinal de dificuldades respiratórias ou cianose das extremidades;

  • Alterações do apetite.

Comments


bottom of page